Ave Sangria - Ave Sangria (1974 brazilian, splendid psychedelic/folk rock, vinyl rip) Flac / 24bit lossless

The northern Brazilian band AVE SANGRIA began as the TAMARINEIRA VILLAGE around 1968 but were renamed before releasing their only album in the mid-seventies.

The band's music includes a unique blend of acoustic, ethnic instrumentation and percussion, electric and sometimes fuzzed guitar, disjointed rhythms and what can only be characterized as a glam-rock persona consisting of outrageous dress and makeup, exaggerated stage movements and often falsetto vocals.

They used lipstick, kissed on stage, made dirty songs about pirates, dead girls and Satan. Some called them “fags”, some said they were a threat to the pure ladies of the town. 

Ave Sangria scandalized Recife city in 1974 in the same way Rolling Stones did in London ten years earlier. In fact, they were known as the “Stones from Northeast” (referring to Brazil’s geography).

Its an incredibly well rounded listen. At times recalling early Tyrannosaurus Rex, and at others sounding not unlike a Brazilian Black Sabbath or something, with some really tough, fuzzed out thug-rock instrumental passages. The vocal delivery moves between an aggressive punky sneer and the aforementioned Bolan/Took chants. It all has the requisite laid-back latin percussion, and some really nice jangly leads as well

Bass – Almir
Drums – Israel Semente Proibida
Guitar, Acoustic Guitar – Ivson Wanderley
Guitar, Viola, Synthesizer, Vocals – Paulo Raphael
Percussion – Juliano
Piano – Marcio Vip Augusto (tracks: A1, A5, B3)
Synthesizer – Zé Rodrix (tracks: A6)
Vocals – Marco Polo



Comentários

  1. LINK:

    Flac / vinyl rip / 24bit lossless

    http://minhateca.com.br/nelwizard/Ave+Sangria+-+Ave+Sangria+(1974)+Flac+24-bit.part1,378353070.rar(archive)

    http://minhateca.com.br/nelwizard/Ave+Sangria+-+Ave+Sangria+(1974)+Flac+24-bit.part2,379420706.rar(archive)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. or

      https://cloud.mail.ru/public/573f2f4952b7/Ave%20Sangria%20-%20Ave%20Sangria%20(1974)%20Flac%2024-bit.rar

      Excluir
  2. part 2 link not working ; very very slow (5-6 hours) , then it quits after 1 hour

    ResponderExcluir
  3. Realmente!!!!!!!!!!!!! na parte 2 o link não está baixando......por favor preciso completar o download!!! obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Re-up part 2, please. Wonderful Lp. Thank you very much.

    ResponderExcluir
  5. Alternative link to download:

    https://cloud.mail.ru/public/573f2f4952b7/Ave%20Sangria%20-%20Ave%20Sangria%20(1974)%20Flac%2024-bit.rar

    Sorry for inconvenience!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, assisti ao show deles nesta ultima edição do Psicodália e foi foda.
    Obrigado por postar.

    ResponderExcluir
  7. Caro Nelwizard, beijo-lhe as mão e os pés em gratidão por este e o terceiro da Casa das Máquinas. Muitíssimo obrigado pela generosidade. É dificílimo encontrar música brasileira em "redbook" (16 bits/44.4 kHz), que dirá em alta definição (24 bits/96 kHz ou 192 kHz). A primeira coisa que gostaria de lhe perguntar, se me permite, é a seguinte: qual foi o equipamento usado para gravar este e a Casa das Máquinas (mesa, braço, cápsula/agulha, pre-amp, DAC, cabos etc.)? Se você puder dar essas informações (ou, quem sabe, passar a incluí-las em seus "rips", em um pequeno arquivo de texto), seria-lhe muito grato. Segundo, gostaria de saber o que achou do som dessa reedição do álbum da Ave Sangria. Soa bem em seu equipamento? Pergunto-lhe pois sei que não deve ter sido barata, mas o som infelizmente pareceu-me deixar muito a desejar. Fui buscar informações a respeito dessa reedição e fiquei sabendo que foi masterizada a partir de um LP original em bom estado. Até aí, tudo bem. É provável que as fitas analógicas originais já nem mais existam. O problema é que não encontrei NADA a respeito de como o tal LP original foi "ripado", que equipamento usaram, se trabalharam com arquivos digitais de alta definição (como o seu) ou se masterizaram o LP a partir de arquivos de 16-bit/44.4 kHz do LP original. O fato é que o som é ruim. A Polysom, pelo menos no início, masterizava os LPs a partir de CDs! É uma informação meio escondida (e acho que, hoje em dia, eles já estão usando arquivos em alta definição -- pelo menos 24-48 ou 24-44) para masterizar os vinis que lançam. Mas o fato é que os primeiros lançamentos (Carlos, Erasmo e Ronnie Von me vêm à mente) nada mais são do que CDs grandes e pretos (e CDs mal masterizados, diga-se). A parte gráfica é sempre um primor (como o seu Ave -- lindas fotos dos selos, a propósito, muito obrigado por elas!), mas o som... O que tem/teve de molecada comprando disco com som de CD ruim não tá no gibi... Enfim, gostaria de ouvi-lo a respeito dos assuntos que comentei aqui (seu equipamento e o que achou da qualidade do som dessa reedição do LP da Ave) e agradeço-lhe enormemente mais uma vez por compartilhar sua coleção em alta definição! Não pare, por favor! Que venham mais álbuns brasileiros em 24-96 ou 24-192!
    Um grande abraço,
    Walt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Walt, saudações meu camarada;

      bem, eu não sou um expert no assunto, mas posso te falar do quê eu ouço em meu toca-discos, e eu ouço um álbum não muito bem produzido, com destaque negativo para o lado A (sendo que em minha opinião o lado B soa melhor) onde nitidamente foi dado destaque a "cozinha" e ao vocal da banda em detrimento a guitarra, embora talvez isso fosse a idéia musical dos músicos, e quando a há a intervenção da guitarra, ela soa abafada, assim sendo provavelmente esse seja o motivo de falta de coesão que esse lado do LP me passa; é possivel que uma produção melhor pudesse melhorar essa minha "visão"!

      Em geral eu gosto do álbum; o som deixa a desejar sim, mas é um excelente disco (no qual paguei R$ 80,00)!

      Lineage do meu rip:

      Class Code State Vinyl: Mint
      Table: TEAC GF-550USB (stereo amplifier two speakers built with Bass-reflex.)
      Software: audacity / EZ Vinyl/Tape
      Encoding: Flac 24/192

      Um abraço!
      Nelson

      Excluir
    2. Muito obrigado pelas informações a respeito do equipamento que usou/usa para "ripar". Obrigado também por compartilhar suas impressões a respeito do som dessa reedição. Você descobriu algo a respeito da fonte usada para masterizar a reedição ("rip" do vinil original em 32/192, 24/192, 24/96, 24/48, 24/44, 16/44 ou -- o horror! -- mp3? De qualquer forma, fique tranquilo: essa reedição já está fora de catálogo; tenho certeza de que conseguirá vendê-la por mais do que pagou por ela, se assim o desejar. O álbum é de fato muito bom, e a parte gráfica é um primor. Agradeço-lhe a atenção e desejo-lhe felicidades!
      Um abraço,
      Walt

      Excluir

Postar um comentário